TABAGISMO

TABAGISMO:


Em atendimentos a pacientes tabagistas, a TERAPIA ONLINE  poderá ser realizado individualmente ou em ambientes corporativos ( nesse caso também a opção do atendimento presencial )

O tabagismo ativo é considerado a principal causa de morte potencialmente evitável em seres humanos. Na composição de produtos fumígenos existem diversas substâncias tóxicas e muitas delas cancerígenas. Na fumaça do cigarro existem 4.720 substancias toxicas diferentes relativas ao tabaco.

Na experimentação, onde se dá o primeiro contato com o fumo, é freqüente a percepção de mal-estar, tontura, tosse, causados pelas substâncias irritativas presentes em cigarros e na fumaça de tabaco. Com a persistência no uso se desenvolve a tolerância e também a dependência ao cigarro.

A nicotina é uma droga psicoativa que atinge o cérebro em oito segundos após a primeira tragada. Ela é a grande responsável pela dependência, pois age sobre o sistema nervoso central e produz prazer, o que induz ao consumo e à perpetuação do ato de fumar.

Depois que o individuo traga a fumaça produzida pelo cigarro, a nicotina chega ao cérebro, liberando várias substancias  pela sua ação em centros dopaminérgicos. Entre essas substancias encontra-se a Dopamina, responsável pelo prazer do fumante, subjulgando-o cada vez mais.

Entre outras substancias produzidas pela ação da nicotina, estão a  adrenalina, epinefrina, acetilcolina e serotonina.

Ficará caracterizado assim o “estado de nicotino-dependência” do indivíduo.

Fatores psicológicos e sociais também são importantes neste processo, contribuindo para a complexidade e intensidade do quadro de dependência. Assim, com o uso regular de cigarros, estabelece-se um condicionamento que faz com que a pessoa passe a ter o fumo integrado à sua rotina. Além disso, o cigarro é também utilizado como um tipo de modulador de emoções, o que faz com que seu uso se amplie significativamente e não esteja associado apenas à necessidade fisiológica de reposição periódica da droga.

A dependência psicológica desempenha importante papel na manutenção da adicção, tornando o uso da droga uma necessidade compulsiva e tornando o cigarro o controlador do comportamento do indivíduo, fazendo com ele passe a fumar por inúmeras razões, como:  estimulação, ritual, redutor de ansiedade, hábito e até  por solidão.

Daí a dificuldade que muitos fumantes têm ao parar de fumar. Além de enfrentarem sintomas de abstinência, precisam aprender a viver sem o cigarro, em geral após anos de tabagismo.

Apesar de ser um desafio, a cessação é determinante para a saúde do fumante. Existem dezenas de doenças tabaco-relacionadas, ou seja, causadas ou agravadas pelo fumo, e muitas delas são letais.

  • 90% dos casos de câncer de pulmão ocorrem em tabagistas
  • Doenças como infarto do miocárdio e AVC (derrame), que lideram estatísticas como principais causas de morte, são diretamente afetadas pelo tabagismo

Justificam-se portanto os esforços em desenvolver medidas de apoio à cessação do tabagismo. Aliados à determinação pessoal, os tratamentos hoje disponíveis (combinando medidas farmacológicas e não-farmacológicas) podem contribuir para o abandono definitivo do cigarro.

Nesse sentido, a Terapia Cognitivo Comportamental, muito tem contribuido.

Desenvolvido por Juliana Apolo e
Studio 9 - Web Solutions